日本語: a língua nipônica.

297628_7512Decidi que nesta semana eu iria finalmente escrever algo sobre a língua japonesa, uma língua que apesar de eu estudar há pouco tempo já me contagiou.

Você pode estar se questionando: “por que eu iria querer aprender todos esses desenhinhos loucos se nem sei nada do Japão?”. Em primeiro lugar, o fato de algo ser diferente do que você já conhece não faz tal coisa louca. Além disso, aprender os tais desenhinhos é mais fácil do que você imagina, muito mais fácil.

Quando decidi que iria estudar japonês, algumas pessoas sugeriram que eu deveria é estudar chinês por causa de suas vantagens econômicas. O que as pessoas não entendem, e o que espero que você entenda, é que qualquer coisa que você estuda, qualquer emprego que você tem, e tudo que você faz precisa estar conectado a você de alguma forma. Sim, parece pieguice, mas estou falando sério. Talvez você só está curioso e atraído pela exoticidade das “letras” japonesas ou pela riqueza da cultura do Japão, não importa: comece a estudar o japonês!

Quero lhe introduzir a esta fantástica língua, você deixa? :P

Você já sabe, japonês (日本語  [ni hon go]) é a língua falada principalmente no Japão (日本 [ni hon]), pelos japoneses (日本人 [ni hon jin]), e seus descendentes espalhados pelo mundo.
Fiquei supreso quando soube que o Brasil – o país onde moro – abriga a maior comunidade japonesa do mundo fora do Japão; aproximadamente 1,5 milhão de japoneses vivem aqui de acordo com o Ministério de Relações Exteriores do Japão. Os EUA estão na segunda posição; toma essa, EUA! Oh yeah! :P

A parte fundamental de qualquer língua é sua escrita. Quem mora na parte ocidental do mundo provavelmente só está acostumado com o alfabeto latino, a base de várias línguas. Pensar em aprender todo um conjunto novo de caracteres pode parecer impossível; eu não só acho possível como também acho que é muito divertido. Pense bem, você pode escrever uma palavra inteira com um único símbolo; isso não é o incrível?

Existem 3 sistemas de escrita no japonês:

ひらがな [hi ra ga na]
É um silabário, ou seja, um sistema de escrita que usa símbolos para representar sílabas. Ao invés de escrever “he”, dois símbolos latinos, você simplesmente desenha へ, massa hein?! Consiste de 46 símbolos (no japonês moderno) e é o sistema básico de escrita japonesa. Você poderia – mas não vai – escrever todas as palavras japonesas só com esses símbolos.

カタカナ [ka ta ka na]
Também é um silabário mas com traços mais simples; por exemplo, か em Hiragana é カ em Katakana. Cada símbolo do Higarana tem um equivalente em Katakana; por isso, este sistema também tem 46 símbolos. Só é usado para escrever alguns tipos específicos de palavras; como por exemplo, nomes científicos (ex.: espécies), estrangeirismos, nome de marcas internacionais e de nomes não-japoneses de pessoas. Quando alguém lê algo em カタカナ pode ter certeza que está lendo uma palavra que não é tradicionalmente japonesa.

漢字 [kan ji]
São todos aqueles outros símbolos, normalmente mais complexos, cuja maioria foi importada da língua chinesa. Estes símbolos são considerados ideogramas (ou logogramas) já que cada um dos símbolos pode significar uma ou mais palavras. Existem muitos kanji para serem aprendidos. Nas escolas do Japão, crianças precisam aprender 1.006 caracteres considerados básicos antes de terminar a 6ª série; estes caracteres formam um conjunto chamado kyōiku kanji (artigo em inglês). Depois disso, até o fim da 9ª série, elas devem dominar 2.136 caracteres (os 1.006 do kyōiku kanji já estão inclusos). Tal grupo de mais de dois mil símbolos é chamado de jōyō kanji (versão inglesa, mais completa) e se aprendido faz a pessoa ser considerada fluente e conseguir ler jornais e itens da literatura japonesa. Calma, não se assuste: você consegue! Se você quer ter uma noção do que precisa aprender veja este mapa. Eu adorei ele: os caracteres são coloridos e cada cor representa a série que uma criança aprende tais kanji.

Considero a pronúncia japonesa muito mais fácil do que a de outras línguas. Com algumas exceções, é estritamente padrão. Os japoneses são um pouco conservadores e eles não mudam a pronúncia deles quando incorporam um estrangeirismo ao vocabulário deles; você pode saber absolutamente nada de inglês, francês ou alemão e vai conseguir falar japonês corretamente. Os falantes de português estão com sorte, a pronuncia das vogais é muito parecida com a do idioma lusitano. Além de escrever estrangeirismos com um conjunto de símbolos diferente (カタカナ [ka ta ka na]), eles adaptam as pronúncias deles para usar sons já existentes no japonês. Coisas bizarras como escrever uma palavra de um jeito e pronunciá-la de outro não acontecem no japonês. Outra vantagem da pronúncia japonesa é a intonação: é muito regular. Línguas como inglês e português fazem seus falantes cantarem o tempo todo, subindo e descendo o tom. A única coisa meio estranha é a pronúncia dos 漢字 [kan ji]. Existem duas formas de pronunciar os ideogramas:

  • on’yomi – simplesmente “on”, que é a forma chinesa
  • kun’yomi – simplesmente “kun”, a forma nativa do Japão

Além disso, alguns kanji podem ter mais que 10 formas de serem lidos. Pois é, eu sei… :X

Mais uma coisa que vale a pena ser mencionada é a forma com a qual eles escrevem um caractere depois do outro. Em todas as línguas ocidentais que conheço, escreve-se horizontalmente, da esquerda para direita, e quando a linha acaba se continua em uma outra abaixo. A língua japonesa moderna aceita a mesma forma de escrita, além da tradicional, que é diferente: escreve-se verticalmente, de cima para baixo, e quando a coluna acaba, começa-se outra à esquerda. Sim, japonês também tem escrita da direita para esquerda (em inglês).

Japonês não é difícil, só é diferente. Mantenha seus horizontes amplos e não compare ele com outras línguas que você já aprendeu (a não ser que tenha aprendido chinês). Eu aceitei o desafio e comecei a aprendê-lo, que tal você também tentar? :D (Sim, eu duvido que você tenha coragem haha).

Observação: as transcrições fonéticas usadas aqui não foram escritas com o AFI. Ao invés dele, usei o sistema de romanização Hepburn que é a forma mais usada para escrever japonês com alfabetos latinos.

  • Felipe Schlossmacher Cariello

    Gostei muito do post. Parabéns!