Crase: a incompreendida

865747_46618975Muitos falantes de português não sabem realmente como funciona a crase: trocam-na pelo acento agudo, esquecem dela ou a colocam onde não deveriam.

Nesses dias me deparei com uma frase em português escrita de forma errada: “Ela precisa ir dormir até [sic] às 22h”.

Você deve estar se perguntando, mas quando falo de horário não preciso usar “às”? Nem sempre…

Como este é um assunto recorrente, criei um link para vocês compartilharem com os amigos: yadayadablah.com/crase.

Primeiro, o que é crase?
O nome vem do grego ”krâsis” e significa mistura ou fusão.
E antes de entender que mistura é essa, vamos falar um pouco da palavra mais curta do português: “a”.

A palavra “a” pode ser várias coisas, mas principalmente:

  • artigo definido → usamos quando queremos falar de algo específico.
    exemplo: A casa foi vendida.
    Não estamos falando de uma casa qualquer, estamos falando da casa,  aquela que eu e você já sabemos qual é.
  • preposição → palavra usada para conectar uma ação (verbo) a alguma informação complementar a tal ação.
    exemplo: Ela foi a sua casa.
                 = Ela foi para sua casa.
    Quem vai, vai a algum lugar ou para algum lugar, neste caso estamos utilizando o a como preposição para indicar este deslocamento.

Dica: quando “a” for preposição, na maioria das vezes, ele pode ser trocado pela preposição “para” sem perder o sentido da frase ou soar estranho.

E o que acontece quando queremos dizer, por exemplo, que estamos nos deslocando para um lugar específico? Usamos “a” duas vezes.
Exemplo: Ela foi a a academia. (incorreto, continue lendo)
Não estamos falando de qualquer academia, estamos falando da academia, uma que eu e você (leitor) conhecemos. Ao mesmo tempo queremos dizer que fomos para ela, ou seja, nos deslocamos.
O exemplo acima está contudo incorreto porque não escrevemos nem falamos assim. Se o fizéssemos seria muito estranho, afinal, ninguém gosta de gaguejar. É aí que vem a crase, ou acento grave, que serve para sinalizar a fusão de 2 letras, no caso, de “a” com “a”.
O exemplo acima se torna correto em português quando re-escrito assim:
Ela foi à academia.

Voltando à questão do horário.
Por que a frase ”ela precisa ir dormir até às (a + as) 22h” está errada?
Simples: porque não queremos dizer que a pessoa precisa dormir exatamente às 22h, mas ela pode dormir a qualquer momento até tal horário.
“Até” já é uma preposição, já tem seu significado próprio, logo, não podemos permitir duas preposições seguidas, elas conflitam entre si. Se tirarmos a preposição “a” da dupla “a + as” ficamos somente com “as”.
Dito isto, a frase seria corretamente escrita como:
Ela precisa ir dormir até as 22h.
Assim, mantemos uma preposição e um artigo.

Quando falamos de horas, precisamos usar o artigo definido (“a” ou “as”) porque não estamos falando de qualquer hora, não estamos falando de duração. Estamos falando de horas específicas, aquelas horas que compõe o dia. Em um dia, por exemplo, não existem outras “22 horas”, elas são únicas, especiais, e eu e você sabemos que estamos falando delas; as 22 horas.

E a falta de entendimento da crase atrapalha o aprendizado de outras línguas.
Quando você entende que aquele à é na verdade duas coisas com funções bem diferentes, fica mais fácil traduzir e associar.

E este papo todo de crase me fez lembrar do uso incorreto de “onde” e “aonde” mas isto fica para um próximo post. :P